Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Museu de Arqueologia da UFPI realiza exposição “Coisas de Pescador” no dia 29 de junho
Início do conteúdo da página

Museu de Arqueologia da UFPI realiza exposição “Coisas de Pescador” no dia 29 de junho

Imprimir
Última atualização em Terça, 18 de Junho de 2024, 15h51

WhatsApp_Image_2024-06-12_at_10.33.09_2.jpeg

O Museu de Arqueologia e Paleontologia da Universidade Federal do Piauí (UFPI), em parceria com o curso de Arqueologia e o Museu da Resistência Boa Esperança, realizará no sábado, dia 29 de junho, das 8h às 16h, a segunda exposição “Coisas de Pescador” na Casa da Canoa, localizada às margens dos rios Parnaíba e Poty, durante a Festa dos Pescadores.

O vice-diretor do Museu de Arqueologia e Paleontologia (MAP), professor Vinicius Melquiades dos Santos, falou sobre o funcionamento do evento e o que o influenciou a escolher a pesca ao redor dos rios como tema. “O evento vai acontecer na Casa da Canoa, no bairro do Poty Velho, juntamente com os festejos do bairro e, especificamente, com a feijoada dos pescadores. Anualmente, eles fazem essa feijoada. No ano passado, desenvolvi uma pesquisa com o seu Celso sobre etnografia arqueológica, estudando seu trabalho como patrimônio. Ele me convidou para montar essa exposição durante os festejos. A exposição se chama 'Coisas de Pescador' porque a ideia era inicialmente mostrar a vida em torno da pesca nos rios, então, a princípio, é mostrar a relação deles com o rio e seu conhecimento tradicional, sempre pensando além da pesca. A pesca é só um elemento central, mas que na verdade nos traz modos de vida e existências dessas pessoas e comunidades em torno do Poty e do Parnaíba”, declarou. 

Ele também contou que este ano o evento terá uma infraestrutura maior, comparada ao ano passado, e espera ampliar o público, buscando envolver bairros próximos. “A tendência é ampliar. O público tem aumentado, pois este ano o evento está com uma infraestrutura maior. O tratamento que eles deram ao lugar melhorou. No ano passado, o chão era somente terra; este ano, asfaltaram algumas partes e colocaram barracas fixas. Enfim, quem conhece vê diariamente o cuidado que eles têm com o lugar e as transformações que fazem, beneficiando a festa também, pois a ideia é que aumente o público da exposição”, comentou.

A exposição está diretamente ligada ao programa de extensão para elaboração do Plano Museológico Participativo do Museu de Arqueologia e Paleontologia da Universidade Federal do Piauí (PLAMPA-MAP/UFPI). O programa de extensão tem como objetivos fazer um levantamento sobre os indicadores da memória, dos patrimônios culturais e das referências culturais de Teresina e do Piauí, enfatizando inicialmente Teresina, para que essas referências culturais sejam inseridas no museu.

Fim do conteúdo da página