Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Profissionais de vigilância em saúde participam de oficina na UFPI sobre ações estratégicas contra a Febre Amarela e Febre do Nilo Ocidental
Início do conteúdo da página

Profissionais de vigilância em saúde participam de oficina na UFPI sobre ações estratégicas contra a Febre Amarela e Febre do Nilo Ocidental

Imprimir
Publicado: Quinta, 14 de Outubro de 2021, 09h36

 

 

WhatsApp_Image_2021-10-13_at_19.50.16_alterada.jpeg

 

Profissionais de vigilância em saúde participam, entre os dias 13 e 15 de outubro, na Universidade Federal do Piauí (UFPI), de uma oficina com especialistas do Ministério da Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), para o aperfeiçoamento e uso da plataforma SISS-Geo como uma ferramenta estratégica de vigilância contra a Febre Amarela e Febre do Nilo Ocidental. O curso foi organizado pela Secretaria de Estado da Saude do Piauí (Sesapi) em parceria com o Centro de Inteligência em Agravos Tropicais Emergentes e Negligenciados (CIATEN) e com a UFPI.

A oficina é uma iniciativa para aumentar a sensibilidade da vigilância, antecipação e detecção de eventos de relevância em saúde pública e otimizar a resposta dos serviços de saúde nas atividades de vigilância, prevenção e controle da febre amarela e outras arboviroses. De acordo com Márcia Chame, pesquisadora da Fiocruz e coordenadora da Plataforma do Sistema de Informação em Saúde Silvestre (Siss-Geo), o curso vai possibilitar ampliar o número de recursos para antecipar possíveis áreas de risco.

“Esperamos, ao fim dos cursos de multiplicadores, ter profissionais de vigilância em saúde e de setores estratégicos dos estados cada vez mais atualizados e capacitados para as ações de vigilância em saúde e envolvidos com estratégias de vigilância animal”, explicou.

 

WhatsApp_Image_2021-10-13_at_19.16.41_alterada_copy.jpeg

 

Aumento nas transmissões de Febre Amarela no Sul do país

Nas duas últimas décadas, foram registradas transmissões de Febre Amarela além dos limites da área considerada endêmica (região amazônica). Os casos humanos ocorridos nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, além da Bahia, representaram a maioria dos registros no período, caracterizando uma expansão da área de circulação viral nos sentidos leste e sul do País, o que está afetando áreas onde o vírus não era registrado há décadas.

O evento vai ser realizado dos dias 13 a 15 de outubro, das 08h30 à 17h. Confira a programação.

– Abertura e apresentação do trabalho no dia.

– Situação epidemiológica no Brasil e Sistemas de vigilância de epizootias de primatas, aves silvestres e equídeos (Pedro Henrique de O. Passos/Marília Lavocat CGARB/SVS/MS).

– Apresentação da Plataforma SISS-Geo (Marcia Chame e Eduardo Krempser CISS/FIOCRUZ)

- Cadastro de usuários colaborador, especialista e usuário SUS

- Cadastro de usuário

– Exercício prático (Marcia Chame/Eduardo Krempser CISS/FIOCRUZ; Pedro Henrique de O. Passos/Marília Lavocat/Alessandro Pecego M. Romano CGARB/SVS/MS):

– Conhecendo as funcionalidades da plataforma SISS-Geo

– Oficina: Revisão do fluxo de informação/notificação atual e a incorporação da plataforma SISS-Geo no sistema de vigilância da Febre Amarela.

Fim do conteúdo da página