Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Estudos realizados na UFPI auxiliam na criação do Sítio Paleontológico de Altos
Início do conteúdo da página

Estudos realizados na UFPI auxiliam na criação do Sítio Paleontológico de Altos

Imprimir
Publicado: Sexta, 02 de Julho de 2021, 09h06

WhatsApp Image 2021 06 30 at 17.45.11

Devido ao reconhecimento crescente que a Floresta Petrificada de Altos tem tido na sociedade, organizações têm se articulado para criação de um sítio paleontológico com o intuito de preservar os mais de 70 troncos datados de aproximadamente 280 milhões de anos. A proposta de criação do parque é liderada pela Prefeitura do município em conjunto com a Universidade Federal do Piauí (UFPI/Teresina), uma vez que as pesquisas realizadas pela Instituição na região visam apoiar a iniciativa.

Outras instituições, como a Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Piauí (SEMAR) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), colaboram com este projeto que já desponta sua grande relevância para a história.

A Floresta fica localizada em São Benedito, também conhecido como Boqueirão do Brejo. De acordo com o professor Juan Cisneros, Coordenador do Laboratório de Paleontologia do Centro de Ciências da Natureza (CCN/UFPI), um grupo de alunos descobriu a Floresta em 2016. De lá para cá, as pessoas têm percebido a importância do sítio, especialmente pelo fato dos troncos serem mais antigos que os dinossauros. Ele explica que a atuação da UFPI tem sido fundamental neste processo, já que a Instituição publicou as primeiras pesquisas feitas no local. “Nós realizamos um mapeamento do sítio, nele identificamos pelo menos 70 troncos petrificados, e ajudamos a determinar a idade deles. A gente não pode proteger o que não conhece! Neste sentido, a nossa pesquisa tem servido de base para apoiar a criação de uma unidade de conservação no local”, ressalta.

WhatsApp Image 2021 06 30 at 17.47.33

Tronco petrificado

Segundo Juan, outras pesquisas estão sendo realizadas no local. Com elas, o objetivo é determinar as espécies de plantas que viveram no sítio. Na sua avaliação, aparentemente, são espécies novas para a ciência e os referidos estudos demoram para serem concretizados, uma vez que requerem variados tipos de análises e comparações. “Outra pesquisa de 2020 feita pela UFPI e UESPI estudou a percepção do sítio paleontológico pelas comunidades locais”, compartilha o professor.

Para o presente e, principalmente, para as futuras gerações, articular a criação de um parque paleontológico na Floresta Fóssil de Altos configura um importante ganho para o município. 'Isso vai fomentar fontes de renda na comunidade local e vai ser muito bom para o nosso Estado, já que vai criar uma opção de lazer cultural/rural no Piauí”, conclui o pesquisador.

WhatsApp Image 2021 06 30 at 17.45.11 1

Professor Juan Cisneros durante visita à Floresta

Confira pesquisa completa realizada em 2016 aqui.

Histórico da Floresta Fóssil

O sítio é uma floresta petrificada, já conhecida por alguns habitantes do município de Altos. De acordo com o especialista Juan Cisneros, os moradores chamam os troncos petrificados de "pedra-madeira" ou "páu-de-pedra". Nessa linha, ressalta-se, que o sítio é importante porque há lá uma grande concentração de troncos petrificados da Era Paleozoica. São fósseis de árvores parentes das araucárias, dos pinheiros e são mais antigos que os próprios dinossauros.

Devido à ancestralidade dos mesmos, ajudam a contar a história do Brasil e da Terra nos tempos remotos. Assim, por meio deles, é possível obter informações sobre como era o clima e a geografia do Piauí; e de como Brasil mudou com o passar das eras. “Existem poucas florestas petrificadas no Brasil que estejam tão bem conservadas como a de Altos. Em Teresina, também temos uma floresta fóssil nas margens do Rio Poti, mas a de Altos está em melhor estado por se encontrar numa área menos acessível”, observa Juan.

Fim do conteúdo da página