Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Egressos da primeira turma de Ciências Contábeis comemoram 40 anos no Salão Nobre da UFPI
Início do conteúdo da página

Grupo de Estudo da UFPI realiza roda aberta de conversa sobre Suicídio nesta segunda

Imprimir
Publicado: Segunda, 16 de Setembro de 2019, 17h37

Na tarde desta segunda-feira (16), aconteceu uma roda aberta de conversa em alusão ao Setembro Amarelo, mês em que se intensifica a campanha de valorização à vida e prevenção ao suicídio. A iniciativa foi realizada pelo Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Saúde Mental e Trabalho da Universidade Federal do Piauí (GEPSAMT/UFPI), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGENF). A programação aconteceu às 15h na área de lazer do Curso de Odontologia, ao lado do Restaurante Universitário I (RU).

IMG_9825.JPG

Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Saúde Mental e Trabalho da Universidade Federal do Piauí (GEPSAMT/UFPI)

E evento é parte de uma programação maior, cuja primeira atividade foi realizada dia 10 deste mês, com uma blitz em vários pontos do Campus em Teresina, visando discutir e disseminar informações junto à comunidade acadêmica sobre a importância do tema.

IMG_9833.JPG

Estudantes da UFPI participam da Roda de Conversa em alusão ao Setembro Amarelo

A coordenadora do Grupo e Profa. da UFPI, Márcia Astrês, explica o diferencial da roda de conversa e a importância da promoção de discussões sobre o suicídio de forma aberta à comunidade. "Este momento tem o diferencial de estarmos dialogando mais, trazendo mais informações sobre a prevenção do  suicídio com uma aproximação mais calorosa com as pessoas que estiverem interessadas. Vamos discutir sobre como se comporta uma pessoa com ideação suicida, o que é o comportamento suicida, quais os fatores de risco e de proteção, onde buscar ajuda de serviços públicos, etc.", afirma.

IMG_9820.JPG

Márcia Astrês,  coordenadora do GEPSAMT e professora da UFPI

A palestrante convidada para a programação foi a Psicóloga Clínica Amparo Silva. Ela destaca a urgência de que debates e discussões mais profundas sobre o suicídio sejam promovidos, especialmente para a juventude, principalmente devido aos altos índices de mortes com essa causa.

"Na verdade, essa é uma demanda que surge nas famílias e às vezes não sabemos muito como lidar ou para onde encaminhar e é sobre isso que eu vim falar. A tanatologia, ciência que estuda a morte, e dentro disso está a questão do suicídio, tem que estar em todos os âmbitos e tem que ter uma abrangência e um impacto muito mais significativos na sociedade, dados os altos índices. Então, o que ocorre num espaço como este é que se encontram pessoas abertas e à vontade para escutar sobre esse assunto e muitas vezes até surgem demandas das próprias pessoas", explica a profissional.

IMG_9819.JPG

Amparo Silva, psicóloga clínica

Amparo Silva ainda ressalta a importância de se atentar ao fato de que ideias suicidas podem se manifestar em qualquer indivíduo, pois trata-se de "um transtorno mental, uma doença, que pode se manifestar em qualquer personalidade.  É pessoa, é passível deter o problema".

A programação contou ainda com apresentação musical realizada por estudantes do GEPSAMT/UFPI e com a distribuição  de cartilhas informativas sobre como lidar com o suicídio e onde buscar ajuda. Toda a atividade foi aberta à comunidade interna e externa à Universidade.

IMG_9816.JPG

 

google fotos.jpeg

Fim do conteúdo da página