Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Professora do Colégio Técnico da UFPI defende tese de doutorado em Biotecnologia
Início do conteúdo da página

Programa de extensão da UFPI discute Educação Ambiental no semiárido piauiense

Imprimir
Publicado: Sexta, 24 de Maio de 2019, 14h29

WhatsApp Image 2019 05 24 at 10.24.2820190524123150 Aberto ao público há apenas 1 ano, o E-Casa já recebeu quase 500 visitantes

A Caatinga é um Bioma exclusivamente brasileiro concentrado na região Nordeste e responsável por quase 11% do território nacional, incluindo o Piauí. Caracterizada pelo clima seco, a zona abriga extensa biodiversidade e partilha as dependências com 27 milhões de pessoas que vivem nos arredores. Mesmo com grande potencial para mecanismos de preservação da fauna e flora presentes e para o desenvolvimento de atividades econômicas sustentáveis, o Bioma tem sofrido avançado desmatamento de recursos naturais.

Com o objetivo de implementar maior conscientização sobre a Caatinga, a cidade de Picos reside o E-Casa, espaço de convivência com o ambiente semiárido, localizado no Campus Senador Helvídio Nunes de Barros da Universidade Federal do Piauí, onde o público-alvo são alunos da rede de ensino básico. Há cerca de dois anos, o local foi criado para exercer o conceito “Educação Ambiental na UFPI: Diálogo entre a Universidade e a Escola para convivência com o semiárido”, coordenado pelo Prof. Dr. Gardner Arrais.

Para a montagem do E-Casa, em 2016, o Programa juntou professores e alunos dos Cursos de Licenciatura em Educação do Campo e Ciências Biológicas para as primeiras etapas do projeto: coleta de material reciclado, criação de sistemas ecológicos favoráveis e cultivo de plantas específicas para o acolhimento de abelhas nativas. Este último método focado na construção de um Meliponário Didático.

WhatsApp Image 2019 05 24 at 10.23.4420190524123909O espaço foi construído artesanalmente pelos integrantes do Programa do Campus de Picos

WhatsApp Image 2019 05 24 at 10.24.2420190524124214Professores e alunos dos Cursos participantes recepcionam o público visitante

“No Piauí há um foco muito grande na apicultura, porém, enxerguei a necessidade de um criatório de abelhas sem ferrão para fins didáticos e por conta do desaparecimento delas. Por serem sem ferrão, se torna mais fácil e não representam um risco para as crianças. São abelhas nativas que poucas pessoas conhecem e tem uma importância enorme”, conta a Coordenadora Profaª. Dra. Juliana Bendini, que, dos 20 anos de pesquisadora, há 5 trata das abelhas nativas do Bioma Caatinga.

Todo o manejo das colônias de abelhas é realizado a partir das pesquisas e técnicas estudadas pelos integrantes, que, em 2018, ganharam um prêmio do Congresso Brasileiro de Educação Ambiental Interdisciplinar. A espécie necessita de cuidados especiais, já que é mais suscetível a ações degradantes, como agrotóxicos e poluição. Por estarem ambientadas de forma nativa, as abelhas produzem menos mel e não podem ser transportadas. “Há poucos produtores, os chamados ‘meliponicultores’, e também há pouca pesquisa sobre abelhas sem ferrão no Piauí. Por isso estamos trabalhando com projetos de Iniciação Científica nesta área e bolsistas já tem pesquisas em andamento”, explica a Coordenadora Juliana. Os projetos podem garantir resultados importantes, como características dos ninhos e preferências nutricionais das abelhas nativas do semiárido.

WhatsApp Image 2019 05 24 at 10.24.28 120190524123607Meliponário Didático realiza pesquisa e manejo com abelhas nativas da Caatinga

E-Casa recebeu a primeira turma em 2018 e hoje conta com quase 500 visitantes. Além do Meliponário Didático com abelhas nativas, o Programa de Educação Ambiental também comporta projetos em que os integrantes exercitam a prática de tarefas lúdicas com as crianças. É o caso do “Botânica em cinco sentidoscoordenado pela Profa. Dra. Maria Carolina de Abreuque forma um jardim experimentalonde as crianças tem contato com as sensações. Os projetos “Arte em papel”, “Sementes Crioulas”, e a compostagem, formada por sobras de comida do Restaurante Universitário de Picos, também integram a Extensão.

Segundo os participantes, o Programa tem tido bons resultados com a aproximação da comunidade em relação aos temas abordados. De 1 a 3 de julho, os membros do E-Casa estarão ampliando as discussões sobre Educação Ambiental e abelhas nativas no XV Seminário Piauiense de Apicultura e I Seminário Piauiense de Meliponicultura, em Floriano.

Confira mais:

Campus de Picos abrigará Meliponário Didático

XV Seminário Piauiense de Apicultura e I Seminário Piauiense de Meliponicultura

Fim do conteúdo da página