Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Programa de Pós-graduação em Química divulga edital de seleção para mestrado e doutorado
Início do conteúdo da página

Pesquisadora da UFPI desenvolve isotônico à base de cajuína

Imprimir
Publicado: Quinta, 23 de Maio de 2019, 15h35

 

UFPI-5.jpg

Protótipo do isotônico desenvolvido para avaliação de mercado já com registro solicitado no INPI

 

Atletas e praticantes de atividade física de alta intensidade costumam consumir bebidas isotônicas para repor os sais minerais eliminados durante os exercícios por meio da transpiração excessiva, sendo a hidratação, durante e após o exercício, recomendada até mesmo para atletas amadores. No Brasil, o consumo de bebida isotônica é de 0,5 litro por ano por habitante, mas chega a 15 litros por habitante por ano nos EUA, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerantes e de Bebidas não Alcoólicas (ABIR).

Uma pesquisa de doutorado, desenvolvida no Programa de Pós-Graduação RENORBIO - Universidade Federal do Piauí (UFPI), pode fazer chegar às mãos do consumidor um produto ainda mais saudável, o isotônico à base de cajuína, valorizando a bebida tradicional no Nordeste, consumida especialmente nos estados do Piauí, Ceará e Maranhão. O desenvolvimento da nova bebida esportiva vem ao encontro do que buscam muitos consumidores e da própria tendência atual do mercado, de oferecer produtos com menos ingredientes artificiais. É o que explica a Profa. Dra. Luanne Morais Vieira Galvão, que defendeu sua tese de doutorado em abril de 2019 no RENORBIO-UFPI, sob a orientação do Prof. Dr. Lívio César Cunha Nunes,e coorientação do Prof. Dr. Marcos Antonio Pereira dos Santos.

  

UFPI-3 cópia.jpg

Prof. Dra. Luanne Moraes apresentado o resultado de sua tese de doutorado RENORBIO

 

“Diferente da maioria das bebidas esportivas no mercado, o isotônico à base de cajuína não tem corantes, saborizantes e nem aromatizantes artificiais. A cor, sabor e aroma da bebida são características fornecidas pela própria cajuína. Além disso, a correção nas quantidades de sais e carboidratos para valores determinados pela ANVISA é minima, tendo em vista que a própria cajuina já é fonte de uma quantidade significativa desses compostos", detalha a pesquisadora, que é filha de produtor de cajuína, sendo também esse um dos motivos pela escolha da bebida como seu objeto de pesquisa. “Eu vejo meu pai preparar o bebida desde que eu era pequena. A ideia inicial era desenvolver uma pesquisa que auxiliasse pequenos produtores como ele a padronizar a produção, mas, no decorrer no doutorado, em conversar com os professores Lívio e Marcos Antonio, surgiu a ideia de desenvolver um produto inovador”, recorda.

 

CAJUÍNA.jpg

Cromatógrafo Líquido de Alta Eficiência usado nas análises durante o desenvolvimento do produto

 

Como foram os testes

Para chegar à versão final do isotônico, foram testadas 9 formulações, variando as concentrações dos constituintes, para chegar ao melhor sabor e que atendesse ao que a legislação estabelece para produção de bebidas eletrolíticas, quanto à quantidade de sódio, potássio, carboidrato, entre outros. Por fim, foi analisada a estabilidade da bebida, que não necessita de refrigeração durante o transporte ou armazenamento, e apresenta prazo de validade de 180 dias. A bebida é contraindicada para diabéticos pela quantidade considerável de carboidratos (açúcar), de 5,2 gramas por 100 ml de isotônico à base de cajuína.

“Após chegarmos à formulação ao produto, estudamos por 180 dias e realizamos análises laboratoriais (que avaliam os parâmetros físico-químicos); microbiológicas (que avaliam a contaminação microbiológica); e sensorial, em que mais de 280 degustadores voluntários apreciaram e opinaram sobre a cor, o sabor e o aroma, além de apontar a intenção de compra. Cor e aroma foram os parâmetros dos quais os provadores mais gostaram. Disseram também que, no geral, comprariam o isotônico de cajuína”, afirmou a pesquisadora Luanne Morais.

 

UFPI-10.jpg

 

Os testes do novo produto foram realizados no Laboratório de Inovação Tecnológica e Empreendedorismo em produtos farmacêuticos e correlatos (LITE/UFPI) bem como no Laboratório de Alimentos do Instituto Federal do Piauí (IFPI), onde a pesquisadora é docente de cursos ligados à área de tecnologia de alimentos.

Para o desenvolvimento do produto, além da UFPI e do IFPI - onde a pesquisadora fez boa parte das análises - o trabalho contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Piauí ( Fapepi ) e da empresa FitoFit - Suplementos e Produtos Naturais.

 

UFPI-11 (1).jpg

Vice-Reitora da UFPI, Profa. Dra. Nadir Nogueira, integrante da banca que avaliou a tese de dourado 

 

A vice-reitora da UFPI, Profa. Dra. Nadir Nogueira, participou da banca julgadora da tese e avaliou o impacto do trabalho. “A pesquisa está em consonância com a política que se estabelece nos programas de pós-graduação que é de respeitar a inserção regional, e, nesse sentido, o trabalho resgata e valoriza a cadeia produtiva do caju/cajuína,  produto genuinamente piauiense, agregando a isso um segmento importante que são os atletas e uma importante atividade que é o consumo de isotônicos que gera milhões nos mercado.”

 

UFPI-8.jpg

Análises físico-químicas e microbiológicas foram realizadas para a caracterização do produto desenvolvido e durante o estudo de estabilidade

 

Caminho até o consumidor

O isotônico à base de cajuína está sendo produzido por uma empresa incubada na UFPI, a FitoFit - Suplementos e Produtos Naturais e é comercializado inicialmente via site da empresa. Para o isotônico ser produzido em larga escala e chegar a grandes pontos de venda, os pesquisadores proprietários da startup envolvida e a própria pesquisadora esperam despertar o interesse do empresariado para a realização da transferência de tecnologia.

O parceiro negocia os termos para exploração comercial da patente e paga os royalties  à Universidade, que divide em partes iguais entre os pesquisadores; o departamento que desenvolveu o produto; e a própria instituição, para investimentos.

IMG_0015.JPG

Prof. Dr. Lívio César, coordenador do LITE e da pesquisa, que gerou o isotônico à base de cajuína 

 

“A mensagem mais importante que quero deixar aqui é comunicar aos alunos a importância e a possibilidade aberta de empreender a partir do resultado do conhecimento gerado nas pesquisas. É possível, sim, você pegar seu TCC, sua dissertação de mestrado, sua tese de doutorado e transformar em uma fonte de renda, transformar em um produto que você pode levar ao mercado fazendo com que esses profissionais deixem de buscar ocupar vagas no mercado e passem a criar vagas”, diz o prof. Lívio Nunes orientador do projeto e sócio da star up FitoFit - Suplementos e Produtos Naturais.

O novo produto está em processo de reconhecimento e já teve o pedido de patente depositado no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

 

image1.jpeg

 

Fim do conteúdo da página