Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Picos: Grupo de Estudos sobre Abelhas do Semiárido Piauiense (GEASPI) inicia trabalho de descrição de grãos de pólen
Início do conteúdo da página

UFPI obtém patente para invento de desinfecção eficaz de moldes odontológicos

Imprimir
Publicado: Quarta, 31 de Outubro de 2018, 15h30

 

 

carmem editada perfil.jpg

Profa. Carmem Dolores Vilarinho Soares de Moura, inventora da tecnologia patenteada 

A desinfecção de moldes odontológicos, feitos de hidrocolóide irreversível ( substância à base de algas), usados para fabricar modelos de gesso, sempre representou um desafio na rotina clínica e laboratorial. É que o processo de desinfecção convencional, que consiste em spray e imersão dos moldes em caixas com solução antimicrobiana, costuma não ser eficaz na remoção completa de micro-organismos e causar danos aos moldes, conforme a literatura.

 

esbojo patente.jpg

Mas, um invento, desenvolvido na UFPI, pela docente do Departamento de Odontologia Restauradora, Profa. Dra. Carmem Dolores Vilarinho Soares de Moura, deve tornar o processo de desinfecção de moldes de hidrocolóide irreversível mais efetivo e seguro. Trata-se de um conjunto nebulizador, confeccionado em formato de caixa, que permite aplicar desinfetante em forma de vapor sobre o molde colocado em seu interior. Nos experimentos realizados, usou-se hipoclorito de sódio como desinfetante, em uma atmosfera com umidade relativa próxima a 100%, fundamental para obtenção dos bons resultados. Em outubro deste ano, a UFPI recebeu deferimento do pedido de patente da invenção junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), seguida de confecção de protótipo e comercializações. O pedido de patente foi depositado em março de 2010.

hidrocoloide.jpg

 “A aplicação do desinfetante em forma de vapor atua sobre toda a extensão do molde, permitindo uma desinfecção efetiva, ao mesmo tempo em que se impede a acumulação do desinfetante em quantidade suficiente para afetar a qualidade da superfície do molde”, explica Profa. Carmem Dolores. A importância da tecnologia, avalia a inventora, é atuar na biossegurança, impedindo a contaminação cruzada no manuseio dos moldes entre cirurgião-dentista, auxiliares e técnicos de laboratório. "O cirugião-dentista molda a boca e entrega o molde em hidrolóide para o auxiliar vazar o gesso. Mesmo o auxiliar estando de luvas, o modelo de gesso que sairá de dentro do molde pode estar contaminado. A saliva contém muitos micro-organismos e, geralmente, na hora de moldar é comum o molde ficar sujo de sangue. E está provado que só a remoção com água não elimina os micro-organismos. Há o risco, por exemplo, de contaminação de tuberculose, hepatite C e HIV." esclarece. 

O aparato foi objeto da pesquisa realizada pela Professora Carmem Dolores em sua dissertação de mestrado e tese de doutorado. O artigo sobre o invento foi publicado na Revista Odonto Ciência da Pontíficia Universidade Católica do Rio Grando do Sul (PUCRS) e encontra-se disponível para acesso pela comunidade científica. A UFPI detém os direitos de exploração comercial do invento, cedidos à instituição pela inventora, Profa. Carmem Dolores. De baixo custo, a fabricação do protótipo, prevista para ocorrer ainda neste mês de novembro, está avaliada em cerca de R$ 60. 

O processo de obtenção da patente contou com assessoria do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia ( Nintec/UFPI), orgão que atua no apoio, estímulo e ampliação de pesquisas na Instituição, com o intuito de identificar as tecnologias comercializáveis e estimular a solicitação da proteção, licenciamento e transferência dessas tecnologias.

 

Rita.jpg

Profa. Maria Rita de Morais Chaves Santos, coordenadora do Nintec/UFPI

 

" Agora, com o reconhecimento do invento pelo INPI, o trabalho é confeccionar o protótipo, fazer o portfólio e sair em busca de empresas que possam reproduzir o invento em escala industrial", explica a Profa. Dra. Maria Rita de Morais Chaves Santos, coodenadora do Nintec/UFPI. "A tecnologia cumpriu os três requisitos para obtenção da patente: novidade, atividade inventiva e aplicação industrial". Quando à divulgação do invento a investidores, destaca: "A partir divulgação da invenção na página da UFPI e em outros canais da intituição, além da participação em feiras assim que houver oportunidade, levaremos a invenção. É um produto que tem tudo para poder ser comercializado", avalia.

Fim do conteúdo da página