Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias - UFPI > Comunicado: funcionamento dos RUs Teresina, almoço de hoje (03)
Início do conteúdo da página

Proteína de uma região específica do cérebro pode atuar no combate à obesidade

Imprimir
Publicado: Segunda, 10 de Setembro de 2018, 11h27

ARTIGO.jpg

Pesquisadores do grupo Metabolismo Molecular da Universidade de Santiago de Compostela, liderado pelo cientista Rubén Nogueiras, onde o Professor Doutor Francisco Leonardo Torres-Leal, do Departamento de Biofísica e Fisiologia (DBFis) da UFPI, desenvolve seu pós-doutoramento, provaram pela primeira vez em um artigo recentemente publicado em uma das revistas cientificas mais prestigiadas no mundo, a Nature Communication, que a ativação da proteína p53 em uma região específica do cérebro, núcleo arqueado, é capaz de reverter a obesidade.

Segundo o professor Leonardo Torres-Leal, que participou diretamente do estudo desde 2017, a descoberta indica que a p53 - conhecido até agora por sua função como supressor tumoral - pode atuar como um novo alvo terapêutico no combate à obesidade, pois é uma proteína que diminui o consumo alimentar e, acima de tudo, estimula a gordura marrom, que é responsável por aumentar o gasto de energia. Em vez disso, a sua inibição específica na mesma região do cérebro provoca obesidade em animais. 

Pesquisadores.jpg

Pesquisadores do grupo de Metabolismo Molecular da USC

Os autores do estudo destacam que estes resultados apresentam grande relevância porque indicam que proteínas com um papel-chave na formação ou supressão de tumores, também podem participar no desenvolvimento da obesidade. 

A importância dessa descoberta é de ampla significância, uma vez que, a obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. "Existem resultados que indicam que uma pessoa obesa tem mais chances de desenvolver certos tipos de câncer e, portanto, duas doenças que apresentam origens tão distintas, como o câncer e a obesidade, compartilham de mecanismos moleculares em comum", explica o professor.

O Professor Doutor Francisco Leonardo Torres-Leal fala da importância do projeto. “O planejamento à longo prazo e o desenvolvimento colaborativo deste projeto tem me proporcionado integrar aos maiores centros de referência europeu sobre o tema, bem como o aprendizado intelectual e das técnicas aplicadas. A experiência vivida durante a realização desse trabalho irá me ajudar no desenvolvimento de meus estudos orientados na Pós-Graduação em Farmacologia e Alimentos e Nutrição. Além disso, o impacto dessa publicação coloca a UFPI em destaque devido a grandeza desse estudo.

O professor também destaca o total apoio recebido pelo DBFis que desde o inicio o incentivou e acreditou que seria importante para a instituição. O professor também é apoiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

O grupo de Metabolismo Molecular da USC desenvolveu este trabalho em colaboração com prestigiados centros nacionais (Espanhóis) e internacionais como o Centro Nacional de Investigaciones Oncológicas (CNIO), o Instituto de Investigaciones Biomédicas August Pi i Sunyer (IDIBAPS), a Universidade de Córdoba, a Universidade de Cambridge, o Helzholtz Zentrum de Munique e o Instituto Max Planck da Alemanha. E atualmente o Professor Doutor Francisco Leonardo Torres-Leal, do Departamento de Biofísica e Fisiologia (DBFis) da UFPI.

CONFIRA O ARTIGO.

Fim do conteúdo da página